Páginas

quinta-feira, 15 de abril de 2021

O troco

O sujeito, um tanto quanto cético, foi a um médico que diziam fazer curas milagrosas através da auto-sugestão.Depois de alguns minutos de espera ele entrou no consultório, sentou-se e o médico lhe disse:

- Agora, o senhor relaxe e diga: "Estou curado", "Estou curado" ... Repita isso vinte vezes.
O sujeito obedeceu, e o médico arrematou:
- Prontinho. Pode ir para casa que o senhor está ótimo! São 200 Reais!
Inconformado com a atitude do médico, o paciente disse:
- Doutor, repita vinte vezes: já recebi, já recebi...


Agora feda

 




terça-feira, 13 de abril de 2021

Só boas notícias

   

Ivar Hartmann

Finalmente uma semana recheada de notícias boas, em três áreas que afligem o dia a dia dos brasileiros. No tocante ao vírus chinês, pelos levantamentos disponíveis, o Rio Grande do Sul é o Estado que, percentualmente, mais vacinou pessoas no Brasil. Ínfimos 11% com a primeira dose, abaixo do desejado, mas mais do que outros Estados. E o STF determinou que o Senado Federal cumpra a lei e abra a CPI da COVID. Fundamental para que seja analisado o destino do dinheiro enviado pelo Governo Federal a governadores e prefeitos. Quem fez o que, e de que forma. O ex-ministro Pazzuelo vai ser investigado, responsável pela cepa Manaus do vírus pelos estados brasileiros. Mas não se espere muito do nosso Senado, ninho de maus elementos. O STF também proibiu a abertura dos templos, ganha pão dos pastores. Se o ensino é a distância, o reino de Deus também poderia ser. Mas, e a grana para o Edir?

Quanto ao lamentável STF, agora se verificou que Gilmar Mendes, o juiz que envergonha os juízes, está perseguindo um promotor de justiça do Mato Grosso. A razão: o promotor descobriu que ele estava usando agrotóxicos proibidos em sua propriedade rural, sita nas cabeceiras do rio Paraguai e resolveu, com a coragem que falta as associações que reúnem seus colegas, processá-lo. Mais fácil que assinar um termo de conduta, usual nestes casos, é pular a lei. Foi o que fez Gilmar que no corrupto mundo brasileiro, passou a perseguir o mais fraco e fazer valer sua toga cor do urubu. A imprensa deslindou. É só seguir noticiando. Finalmente, parece que será aberta a CPI da Lava Toga no Senado. Gilmar, Toffoli, os inimigos da Lava Jato e outros, vão para o banco dos réus. Lava-se a justiça do Brasil. 

Promotor de Justiça aposentado - ivar4hartmann@gmail.com

terça-feira, 6 de abril de 2021

O ministro proprietário do STF

  

Ivar Hartmann

Em 1969 o golpe de l964 cassou três ministros do STF por razões políticas. Sinal de que os ministros eram sérios e competentes. Com a força que tinha o Executivo, poderia afirmar que as cassações eram por corrupção e ficaria melhor. Hoje, caçar três do STF, seriam Gilmar Mendes, Toffoli e Lewandowski. O último por vinculação pessoal ao PT. Toffoli porque passou na sabatina para ministro sem os requisitos necessários quanto a idoneidade que não foram levados em conta pelo senadores e relativos ao seu tempo de advogado. Afora as denúncias não apuradas da reforma de sua casa em Brasília por empreiteira. Gilmar Mendes é um caso à parte. Como Lula era o cabeça dos ladrões da Lava Jato, ele é o cabeça dos outros dois. Manda, desmanda, enriquece, protege o Bradesco e tudo fica por isso mesmo. As últimas sentenças do STF mostram seu poder.

Augusto Nunes, diretor da TV Record, denunciou há dias, depois do julgamento do Sérgio Moro: Gilmar Mendes alardeava para amigos em restaurante de Brasília, que, a seu pedido, a ministra Carmem Lúcia que tinha votado a favor de Moro, mudara o voto. Moro estava sendo julgado com provas ilegais, porque falava com promotores de Curitiba sobre questões do processo. Neste país da corrupção generalizada, com bilhões de reais em julgamento, com riquíssimos presos, não apareceu uma única manifestação de que algum dos escutados tivessem tentado, como os políticos, ganhar milhões extras aproveitando os cargos. O processo contra Moro é uma malandragem do rei dos malandros, Lula. Que foi vitorioso graças as manobras ilegais de Gilmar Mendes. Ministro que manda e desmanda no STF e que chora em homenagem a petistas. No Brasil vale tudo. 

Promotor de Justiça aposentado - ivar4hartmann@gmail.com

domingo, 4 de abril de 2021

Habemus Basilica

 

Pontifícia Basílica Menor de Nossa Senhora da Guia do Acari

Heraldo Palmeira

Sempre que o sacro colégio de cardeais se reúne em conclave, em Roma, e elege um novo sumo pontífice da Igreja Católica Apostólica Romana, uma fumaça branca densa enche uma chaminé do Vaticano e sobe aos céus. É como se aquela fumaça, um simbolismo, traduzisse um mistério que salta das coisas dos homens, nos ligasse diretamente ao divino de alguma maneira.

Pouco depois, ouve-se o anúncio solene do texto Habemus papam (Temos um papa), lido na varanda central da Basílica de São Pedro por um cardeal especialmente designado. É a informação oficial de que um novo papa está eleito e que ele aceitou a nobre missão de ocupar o trono de Pedro.

Em seguida, ele é apresentado ao mundo e profere sua primeira bênção Urbi et Orbi (À cidade e ao mundo), iniciando seu tempo sagrado de guardar e pregar a Palavra pelo mundo.

Uma basílica é uma dignidade concedida pelo papa, a que uma igreja é elevada quando reúne um conjunto de fatores especiais para tal merecimento: veneração devotada pelos fiéis, elevada importância histórica, valor artístico e cultural da arquitetura e das instalações litúrgicas. Como passa a ter uma ligação direta com o santo padre, precisa conter relíquias e estrutura para receber o principal sacerdote de Cristo.

Desde os primeiros movimentos de ocupação do território brasileiro após o Descobrimento, a determinação do colonizador europeu era distanciar a pecuária da cultura litorânea da cana-de-açúcar, primeiro instalada, inclusive para evitar conflitos pela terra.

A época do couro, no ciclo dos criadores de gado, permitiu que grandes partes do território interior da capitania do Rio Grande do Norte fossem ocupadas com a criação de rebanhos bovinos. 

No início do desbravamento do Seridó, o ambiente era dominado pelas agressivas tribos canindés, cariris, jenipapos, pegas, sucurus e tarairiús, embora os indígenas do sertão fossem designados genericamente como “tapuias” – na linguagem regional dos sertanejos eram denominados “caboclos brabos”. A conquista foi hostil, com a exterminação ou escravização (de pequena parte) daqueles povos primitivos.

A partir de 1676, as primeiras terras foram concedidas ao redor do rio Acauã para gentes vindas de Pernambuco e Paraíba, dando início à acomodação dos rebanhos. Tempos depois a atividade já ganhara importância econômica para sustentar, com seus impostos, também o desenvolvimento das capitanias de Pernambuco, Itamaracá e Paraíba.

O vale do rio Acauã, que tinha o peixe acari entre seus bons frutos, terminou gerando o nome do lugar. Não demorou, Acari foi se transformando em polo importante do manejo e comércio do gabo bovino nas propriedades que se espalhavam ao longo dos rios da região.

Os iniciadores da colonização da região vieram das famílias Araújo, Azevedo, Cananéia, Bezerra, Dantas, Faria, Fernandes, Galvão, Garcia, Medeiros, Monteiro, Nóbrega e Silva. Há quem garanta que os Araújo foram os primeiros a chegar e praticamente todos os seridoenses são seus descendentes.

Dois homens daqueles primórdios, ambos pioneiros na colonização do Rio Grande do Norte, tiveram em tempos diferentes importância fundamental para o desenvolvimento da Igreja no território de Acari:

1) Manuel Esteves de Andrade, sargento-mor nascido na Bahia, prestou seus serviços primeiro em Pernambuco, depois na Paraíba. Chegou ao Seridó em 1725 exercendo a função de cobrador de impostos. Por circunstâncias familiares, terminou erguendo a primeira igreja e, por isso, é considerado o fundador da cidade.

2) Thomaz de Araújo Pereira, tenente-coronel nascido em Viana do Castelo, na região do Minho, norte de Portugal, chegou ao Seridó em data imprecisa a partir de 1734. Assumiu o posto de capitão-mor do Regimento de Cavalaria de Ordenanças da Ribeira do Seridó. Da sua descendência veio o padre Thomás Pereira de Araújo – essa era a grafia que ele usava para assinar o próprio nome –, considerado um dos grandes patriarcas da cidade.

Logo depois de chegar a Acari, Manuel Esteves terminou comprando terras diretamente do parente Nicolau Mendes da Cruz, homem que detinha boa extensão de propriedade na região, mas estava decidido a voltar para o Recife, sua terra natal.

Solteiro – nunca casou ou teve descendentes –, Manuel queria ter a companhia da mãe, dona Maria da Purificação, que continuava vivendo no Recife. A senhora de grande fé colocou uma condição inegociável: que o lugar tivesse uma capela onde ela pudesse rezar e manter suas práticas religiosas.

Segundo a tradição oral de transmissão da história, e registros apostos em livros de tombo da paróquia, a origem da devoção à padroeira tem versões diferentes:

1) Dona Maria da Purificação, mãe do fundador, tinha devoção à Nossa Senhora da Guia.

2) Pela pujança da pecuária naqueles tempos, era comum guiar os rebanhos por diversos itinerários cercados de perigos nas terras do sertão. Nessas travessias havia a figura do vaqueiro-guia e pode ter vindo daí a escolha, em razão da fé dos vaqueiros e como delicada associação de proteção à função de guiar o gado. Essa hipótese tinha a simpatia do padre José Cortez, saudoso sacerdote acariense muito querido pela comunidade.

De acordo com versões populares, a partir da solicitação da mãe, Manuel, também muito religioso, teria sido orientado por um padre confessor (no Recife) a buscar recursos oficiais e autorização eclesiástica da diocese de Olinda, que tinha jurisdição sobre a região, para realizar a empreitada de erguer a capela dedicada à Nossa Senhora da Guia.

Os registros históricos guardam a petição assinada por ele em 1737, mas há versões dando conta de que obras foram iniciadas dois anos antes. A inauguração, com a bênção episcopal, ocorreu em 1738.

No altar, a chamada “imagem primitiva”, de estilo barroco popular – hoje mantida no pequeno altar da casa paroquial –, cujas feições e demais traços indicam que pode ter sido talhada por algum santeiro paraibano.

Há versões conflitantes a respeito de dona Maria da Purificação. Nunca esteve em Acari. Nunca morou em Acari, apenas visitou o filho duas vezes. Veio morar com o filho assim que a capela ficou pronta. Seja qual for a verdade, parece inegável a sua importância na história religiosa do lugar.

O povoado começou a se formar ao redor da pequena capela, que passou por obras de reforma e ampliação em 1792, quando adquiriu o belíssimo formato atual, cujo porte permite avaliar a pujança do lugarejo naqueles tempos.

Em 1833, a vila de Acari conquistou sua emancipação de Caicó e tornou-se município. Em 1835, com a criação da Paróquia de Nossa Senhora da Guia, o templo foi elevado à dignidade de igreja matriz.

Décadas depois, o padre Thomás Pereira de Araújo – desde seu ancestral português, o quarto homem de mesmo primeiro nome na família – era o pároco da comunidade. Diante da ameaça de o poder público confiscar as propriedades das irmandades religiosas, ele simplesmente vendeu as fazendas de gado e passou a dispor de bom capital nos cofres paróquia.

Dotado de grande visão de futuro, fez uma análise econômica do ambiente rural e urbano e vislumbrou a tendência de crescimento da comunidade. Assim, lançou-se ao empreendimento mais reluzente do seu legado: a construção da nova matriz no alto da colina sagrada dos acarienses. A obra, que teria começado em 1853, estendeu-se por doze ou catorze anos. O visionário ergueu um templo cuja imponência e beleza impressionam até hoje.

No Natal de 1862, quando a capela-mor já se encontrava coberta, foi celebrada a primeira missa, presidida pelo padre Thomás. A obra terminou em 1863 – a data alusiva está impressa no alto da fachada principal – “quando ela ficou coberta e fechada”, conforme crônica da época.

A partir dali, foram mais quatro anos de preparação, com a construção dos altares em madeira, pintura, paramentação (alfaias que permitem o funcionamento pleno de uma grande igreja, tais como roupas e vasos litúrgicos, toalhas, pia batismal etc.). E, óbvio, a belíssima imagem de Nossa Senhora da Guia, de estilo barroco, adquirida especialmente para a trasladação da antiga matriz, ocorrida na abertura da Festa de Agosto de 1867.

A partir da trasladação, a antiga matriz foi dedicada à Nossa Senhora do Rosário. Hoje, além da condição de a mais antiga do estado que ainda permanece de pé, é uma joia do patrimônio histórico de Acari, devidamente tombada pelo IPHAN-Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Em 2013, foi realizada uma grande reforma na matriz para comemorar o sesquicentenário daquele 1863 que está no alto da sua fachada principal, ano em que a obra de construção foi concluída.

Para mim, um ano de redobradas alegrias porque lancei o filme documentário Agosto em Acari, onde a própria comunidade deixou gravados sinais claros de que a fé dos nossos antepassados estava preservada numa atmosfera religiosa perene que vai atravessando gerações.

Também naquele ano histórico de 2013 ocorreram as primeiras ideias e conversas a respeito da elevação da matriz à dignidade de basílica. A partir de 2018, o processo finalmente ganhou corpo.

O documento foi publicado pelo Vaticano em 19 de março de 2021, no dia consagrado a São José, tão caro a nós sertanejos – ainda mais se chover, sinalizando inverno e farta colheita.

No dia 25 de março de 2021 tivemos a solenidade de dedicação, rito de consagração da matriz e do novo altar, e a publicação do Decreto Pontifício que elevou a nossa matriz à dignidade de basílica menor. Ali, a paróquia de Acari passava a desfrutar de um honroso privilégio pontifício, a ligação de seu principal templo por um vínculo especial de comunhão à Cátedra Romana de Pedro, ao papa.

Pena que a pandemia do coronavírus restringiu a solenidade apenas ao bispo diocesano de Caicó, ao vigário, alguns padres, à equipe da liturgia, ao maestro, ao coral reduzido e ao prefeito municipal com a esposa. Que festa teria sido se o povo de Deus pudesse participar!

Fechando a cerimônia, subiu aos céus de Acari a fumaça da enorme girândola de fogos, como se anunciasse ao mundo habemus basilica (temos uma basílica). Nos demos conta de que aquela matriz majestosa tatuada em nossos corações é agora a Pontifícia Basílica Menor de Nossa Senhora da Guia do Acari, a primeira e por ora única basílica do Rio Grande do Norte.

Correndo os olhos pelo decreto Domus ecclesiae, da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, onde estão listadas as normas para concessão do título de basílica menor, encontramos outras pistas importantes para tamanha conquista:

“A igreja, para a qual se pede o título de basílica, deve ser dedicada a Deus com o rito litúrgico e tornar-se, na diocese, um centro de atividade litúrgica e pastoral, sobretudo para as celebrações da Santíssima Eucaristia, da penitência e dos outros sacramentos, sendo exemplar quanto à preparação e desenvolvimento, fiéis na observância das normas litúrgicas e com a ativa participação do povo de Deus.”

“A igreja goza de certa fama em toda a diocese [...] ou ainda porque se venera em modo particular alguma imagem sacra. Se considerem também o valor da igreja, ou seja, a importância histórica e a sua beleza artística [...] pede-se ainda um suficiente número de ministros e um apropriado coral, para favorecer a participação dos fiéis também com a música e com os cantos sacros.”

A presença do acariense cardeal Eugenio de Araújo Sales na história recente da Igreja deve ser considerada com relevo. É inegável que ele deu conhecimento à Santa Sé do nome da cidade e sua fervorosa e secular vivência religiosa.

O trabalho virtuoso e incansável, bem como a serenidade dos sacerdotes Fabiano Dantas, Flávio Medeiros e Raimundo Sérvulo, dos quais sou feliz testemunha, ergueu e acomodou cada cristal do projeto no devido lugar e sem nenhum trincado.

O mais firme alicerce sempre esteve na comunidade que transformou Acari numa referência litúrgica, a partir da fé que nos guia desde os tempos dos desbravadores. Somos o povo que, acostumado a desafios, vai honrar mais e mais a nomeação que nos foi concedida pelo santo padre.

Também devemos aprender a conviver com uma nova realidade que provavelmente se instalará, a de destino de peregrinações e turismo religioso. Que Nossa Senhora da Guia, de sua basílica, nos dê sabedoria para manter nossa tradição de religiosidade e de acolhimento a quem chega. E que nos guie para operar as mudanças em benefício da obra pastoral e da comunidade que vimos construindo desde que o pequeno povoado foi se formando ao redor da capelinha erguida por Manuel Esteves de Andrade.

Jamais esqueçamos que a mais alta de todas as capelas é o nosso templo interno. Que assim seja!

Heraldo Araújo Palmeira,

Filho legítimo de Acari, no Domingo de Páscoa, 4 de abril do ano da graça de 2021

*Agradecimentos especiais a Adriano Campelo, Canindé Medeiros, padre Fabiano Dantas, padre Flávio Medeiros, monsenhor Raimundo Sérvulo e todos os historiadores, pesquisadores e diletantes que insistem na nobre missão de manter vivas nossas melhores histórias.


terça-feira, 30 de março de 2021

15 reais

 





STF: os ministros eleitores

 

Ivar Hartmann

Bastou a decisão inglória do STF que possibilita a Lula ser candidato a presidente no ano que vem e o Bolsonaro mudou de atitude: passou a usar máscara, defende a vacina e compra milhões de doses. Coisa impensada até há poucos meses quando minimizava as mortes de 250.000 mil brasileiros que agora já são mais de 300.000. Será que as famílias destes mortos irão votar nele? É a pergunta que não canso de me fazer. Sim, não gostamos do Dória, mas ao contrário dos seus inimigos, temos que reconhecer que ele e suas ações para comprar a vacina chinesa e produzi-la no Butantã, foram o passo fundamental para que o Ministério da Saúde e Bolsô resolvessem correr às compras no mercado internacional. Fato até poucos meses antes impensado pelo presidente. Na pandemia o Brasil está à mercê dos apetites para 2022. Que inclui o Centrão concluir que Bolsô não é o melhor e desistir dele apoiando outro.

Dilma, uma vez, quando era presidente, quis fazer do ladrão e corrupto Lula, seu ministro para que ele escapasse da prisão da Lava Jato. Moro, mais inteligente, deixou vazar a conversa entre Lula e Dilma na qual ela dizia que iria nomeá-lo para que ele escapasse. Escândalo nacional. A nomeação não pode ser feita e Lula foi para o lugar onde deveria estar, não fora a benevolência com que alguns ministros do STF, que devem seu emprego a ele, tratam as causas do PT. Seria a sigla certa SPTF ? Como Lula, o incompetente ex-ministro Pazzuelo, a quem o Brasil deve a disseminação da cepa Manaus do vírus chinês pelo Brasil, que está matando aos milhares, quer um ministério para se garantir dos inquéritos em andamento contra ale. Vai ganhar. Para que servem os amigos? 

Promotor de Justiça aposentado - ivar4hartmann@gmail.com

quarta-feira, 24 de março de 2021

Pazuello é nomeado ministro-demitido-interino


“No tocante a esse negócio daí, a pandemia tava mais controlada quando o Pazuello era interino. Então esse novo ministro daí vai ficar como interino do interino, e a pandemia vai ficar duas vezes mais controlada, tá ok? Assunto encerrado.”

A declaração, dada pelo presidente Bolsonaro, serviu para anunciar o novo cronograma do Ministério da Saúde. 

O general da ativa Eduardo Pazuello deixou o cargo de ministro e será oficializado como “ministro-demitido-interino”, posição que ocupa informalmente há uma semana, já que ainda não foi afastado efetivamente da pasta. 

Já o médico lambebotista Marcelo Queiroga assume a posição de “interino do demitido-interino da Saúde”, o que lhe dará plenos poderes para continuar não fazendo nada no combate à Covid-19.

Com informações da revista The piauí Herald

terça-feira, 23 de março de 2021

O dilema de Rita Parrecão

 DIRETO DO JORNAL DA BESTA FUBANA

Mãe Oxum, a protetora do pau mole

Cícero Tavares

Rita Parrecão era uma morena exuberante, monumental. Um metro e oitenta centímetros de pura beleza tropical, olhos da cor do mar, coxas grossas e bem delineadas, joelhos torneados, cintura de pilão, cabelos pretos, cacheados, batendo na cintura. Mas apesar de todos esses atributos femininos naturais que chamavam a atenção de todos que a viam, ela era cismada com qualquer bicho fêmeo que tentasse se aproximar do marido para quaisquer conversês.

Certo dia pôs na cabeça que Adamastor da Silva, seu marido, comerciante de Secos e Molhados bem sucedido no bairro, estava fofando a empregada Tonha de Zefa, matutinha assanhada que ela mesma teria trazido do interior para ajudá-la nos afazeres caseiros e cuidar das três filhas menores.

Para provar o improvável, o que só existia na sua imaginação, Rita Parrecão armou várias arapucas para ver se pegava o marido traçando a empregada dentro ou fora de casa. Mas não conseguia porque tudo não passava de coisas de sua cabeça, idealização à traição.

Insatisfeita por não obter resultados positivos de suas desconfianças delirantes, Rita Parrecão disse ao marido que precisava visitar a família no interior, pois a mãe estava doente, mas sua pretensão era consultar Mãe de Oxum, a mais famosa macumbeira da região, especialista em descobrir traição de maridos infiéis que andavam mijando fora da bacia.

Consulta feita, preço combinado. Detalhes da execução do “serviço” foram acertados verbalmente entre a contratante e a contratada. De cara, Mãe de Oxum exigiu três galinhas pretas, três caixas de charuto vendido no armazém de Seu Mané Rolim. No mesmo dia, depois de participar da primeira sessão de descarrego, Rita Parrecão volta para casa satisfeita com o resultado dos primeiros ensaios, com todos os caboclos recriminando “os atos do marido”…

À noite, antes de deitar-se, ela entra em transe, dá umas sacudidelas no corpo incorporado por uma entidade recomendada por Mãe de Oxum e tibunga debaixo do lençol nua, onde já encontra o marido, deitado e, para sua surpresa, roncando feito um porco, fato esse nunca lhe acontecido antes.

Mais seca do que o mês de janeiro em Pico para as camaradagens com o marido, ela começa a passar a mão nos trololós dele, que não se intumescem nem a pau. Dormindo estava dormindo ficou, e ela na maior frustração.

Passou a noite nessa agonia e no outro dia, quando se levantou, fez o café de Adamastor da Silva, serviu-o e, curiosa porque o maridão não a procurou para dá uma, perguntou-o:

– Meu filho, você ontem não me procurou. Foi dormir tão cedo. Que sono foi aquele que deu em você?

– Minha filha, eu não sei por quê, mas de ontem para cá eu estou sentindo uma coisa estranha na minha tesão. Eu estou sentindo que estou perdendo a potencia sexual por você. Até o pau encolheu como você pode ver aqui – e arriou o zíper mostrando a mulher o desmantelo.

Quando viu a cena do feitiço inverso, o pingolim do marido lânguido, desiludido, Rita Parrecão endoidou. Inventou uma nova viaje ao interior para procurar a mãe de santo e desfazer a mandinga. Ao chegar no interior, aflita, procurou Mãe Oxum, que para sua desdita tinha tido um infarto fulminante na noite anterior e batera as botas. O corpo estava sendo velado.

Como a mãe de santo pregou um nó que só ela mesma poderia desatar, o que aconteceu com várias mulheres da região que, naquele instante chegavam contando o mesmo dilema, o consolo de Rita Parreção foi o de ter de conviver com o badalo do marido murcho e ficar na espreita para um dia o pau ressuscitar.

Desse dia em diante Rita Parrecão aprendeu uma lição por ter ficado sem o pau ardente do marido toda noite, a não ser apelando à cabocla Jurema, milagreira do pau mole, a ressurreição do “bicho”: quem não pode com a mandinga não carrega o patuá.



O vice-presidente, o ministro e a CPI

    

Ivar Hartmann

O que relato é do conhecimento comum. O presidente sempre minimizou o vírus chinês e sua gravidade. Ria da máscara e do distanciamento. Protelava a compra de vacinas porque dizia que a cloroquina resolvia tudo. Os direitopatas, termo criado por mim, porque abriga o inverso dos esquerdopatas, concordavam com o ídolo. O seu terceiro ministro da saúde, Pazzuelo, incompetente mas serviçal, conseguiu deixar Manaus sem oxigênio. Centenas de pessoas morreram por causa disso na capital da Amazônia. Vexame internacional. Com o aumento dos casos, sem providências rápidas que implicavam em aumentar a infraestrutura hospitalar, mandou transferir os doentes para outros estados. Quando já se sabia que havia uma cepa local, pior que a original, chamada de Manaus, mais resistente e que acabou por disseminar o vírus pelo país, como é o caso atual do Rio Grande do Sul. Os países civilizados que tiveram surtos locais, fizeram o oposto: fecharam o território infectado.

A imprensa chapa branca diz que não somos os piores do mundo em mortes per capita. Grande consolo para quem perde familiares e amigos. O esperto governador de São Paulo, importou vacinas da China e obrigou o governo a comprar também. As fake news das redes sociais, deturpando a verdade, coisa natural para políticos, tentam fazer de Bolsô o herói do momento. Parece o contrário: o vice presidente deu entrevista há pouco dizendo que o que faz um ministro da saúde é de responsabilidade direta do presidente, de quem é subordinado. Deveriam lê-la. É o general vice presidente da República, acusando seu chefe, capitão. A CPI da Pandemia vai sair. No Japão, Pazzuelo iria para a cadeia ou cometeria haraquiri.

Promotor de Justiça aposentado - ivar4hartmann@gmail.com