Páginas

terça-feira, 30 de janeiro de 2024

Techpark - Tecnosinos

      

Ivar Hartmann

O escritor gaúcho Viana Moog, publicou um livro sobre o rio dos Sinos: Um Rio Imita o Reno. Rio largo, tornou possível a criação de duas cidades gêmeas, que, não fora ele, seriam uma só: São Leopoldo e Novo Hamburgo. A primeira, berço da colonização alemã no Brasil, a segunda, Capital Nacional do Calçado. Ambas tendo o sangue forte dos primeiros colonos alemães e seus descendentes. Cada uma formou sua própria economia, do que redundou também a criação de duas Universidades modelos.

A Unisinos, com mais de 50 anos de vida, primeira Universidade da América Latina a conquistar a certificação ambiental ISO 14001. A Unisinos abriga o maior polo de informática do Rio Grande do Sul: a Tecnosinos, criada com o objetivo de desenvolver redes colaborativas que impulsionem a inovação e a conexão de alta qualidade. Seu Parque abriga 6 países e 110 empresas. Com 10.000 empregos e um movimento anual de 1 bilhão de reais.

A FEEVALE, é mais recente (1969). Em grande parte, é fruto do trabalho do prof. João Carlos Schmitz. A FeevaleTechpark em três unidades, oferece infraestrutura para a instalação de empresas de base tecnológica industrial e para as TICs (Tecnologias da Informação e da Comunicação) referente a máquinas e programas que geram o acesso ao conhecimento. Nos anos recentes, a Universidade, como um todo, alcançou significativas conquistas.

Mais de 200 empresas estão incubadas nestas Universidades, que tem como norte, a inovação tecnológica e a economia criativa. Os milhares de alunos e as empresas a elas agregadas, significam estudo, emprego e desenvolvimento tecnológico, fundamentais para o Brasil. Longe de estagnarem no já conquistado, são templos do saber abrindo os caminhos do futuro.


Promotor de Justiça aposentado

ivar4hartmann@gmail.com

sábado, 23 de dezembro de 2023

Conto de Natal

      

Ivar Hartmann

Duas flores enfeitam os jardins do Sul nesta época do ano: hortênsias e jasmins. As primeiras, pela quantidade, tapam os pés dos arbustos onde nascem e formam um espetáculo que é a melhor moldura das cidades serranas gaúchas de Nova Petrópolis, Gramado e Canela. Seu único pecado é não terem perfume. Outras, são os jasmins, flores de muitas variedades, em tonalidades de pétalas brancas que perfumam os ares e os lares, mesmo quando já estão secando.

Houve tempo, na Serra Gaúcha, onde ambas as flores, em contato com poucos humanos, floresciam livres, buscando espaços para mostrar sua beleza. Umas, aumentando as flores de seus pés, outras, perfumando o seu entorno. Cada qual querendo ser mais agradável aos colonos que iam entrando nas matas, derrubando árvores, na busca de terras para lavrar e sustentar suas famílias. Nestas terras iam encontrando as flores. E as escolhas que os colonos faziam, entre uma e outra, provocavam ciúmes. Sim, porque as plantas, criaturas de Deus como os animais, também tem certos sentimentos.

O Menino Jesus é Deus e eterno. Assim, é idoso e criança ao mesmo tempo. Quando começava a ficar frio na Europa, ele que tinha nascido na soleada Belém, preferia os campos amenos da Serra Gaúcha e comprazia-se em deitar com as hortênsias que eram cercas floridas e os jasmins que perfumavam o ambiente. Por ser Deus, notou a animosidade entre tão lindas plantas.  Para impedir que a perfeição das flores, fruto da criação de seu Pai, fosse contra a paz que devia reinar nas serras, resolveu separar umas das outras. Por isso hoje, onde as hortênsias mostram sua exuberância, não há jasmins por perto. E, ao contrário, onde eles perfumam os ares, as hortênsias são poucas. Piegas e verdadeiro. 


Promotor de Justiça aposentado

ivar4hartmann@gmail.com

terça-feira, 5 de dezembro de 2023

Lula ajuda a China

     

Ivar Hartmann

Acho muito certo o Lula vetar os incentivos a indústria brasileira, mesmo que seus eleitores percam os empregos. Afinal ele é um líder internacional e tem que manter esta postura. Para isso tem de viajar bastante, ostentar-se nas capitais por onde passa, para mostrar que o Brasil não é uma república bananeira da América. É o Brasil. Terra do futebol e Carnaval. Da lei e da ordem. Paraíso dirigido desde Brasília, a capital do futuro. Onde se reúnem, nos Três Poderes, cidadãos sem mácula invisível. Sobre as visíveis, aí está Lava Jato que não deve ser esquecida. Ia escrever jaça, que é termo muito usado no exame de pedras preciosas. Pedra sem jaça é aquela sem mancha ou defeito. Aí os leitores diriam que estou extrapolando.

Qualquer celular acessa o mercado de roupas, sapatos e quinquilharias em geral, fabricadas na China sem impostos e, portanto, baratas. As mesmas que se produzem no Brasil, aqui fabricadas, mediante o pagamento de impostos. Impostos - perdão do trocadilho - impostos por governos centrais ávidos de proteger seus interesses e de seus agregados. Afinal, entra e sai governo e partidos e tudo segue na mesma linha. Nada mais parecido com um político da esquerda que um político da direita.

Neste vai e vem do mercado internacional e da necessidade de garantir empregos para os brasileiros e não para os chineses, é a lei de desoneração da folha de pagamento. Lula vetou que a lei, que termina no fim do ano, fosse prorrogada. Cálculos dos setores pagantes, referem que 20 mil brasileiros, que trabalham no setor calçados, poderão ser demitidos.  Na indústria gaúcha em geral, mais de 400 mil empregos perigam. O Congresso  pode “virar os arreios”. Isso esperam os gaúchos e os brasileiros. Pelo Brasil.


Promotor de Justiça aposentado

ivar4hartmann@gmail.com

sábado, 18 de novembro de 2023

Carros

                          
                                                                                     

 

Kenga portuguesa

               

                                            Pois... Pontos de Vista diferentes...